A partilha de informações de forma prática e simples, permite complementar saberes entre profissionais e acrescentar experiências com os que, perante um imprevisto, precisam de forma informada agir eficazmente - crianças, jovens e adultos/famílias.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

CLASSIFICAÇÃO DAS PATOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM NA CRIANÇA

Esta classificação tem por base os conceitos de atraso e de desvio da capacidade comunicativa e da linguagem. Assim, considera-se que o atraso de desenvolvimento da linguagem se insere no primeiro conceito, enquanto os dois seguintes se incluem no conceito de desvio. Para uma melhor clarificação e uma tentativa de homogeneização desta nomenclatura consideram-se as seguintes definições:
  • Atraso de desenvolvimento da linguagem – Considera-se ADL quando o desenvolvimento da linguagem está alterado globalmente, nas estruturas de compreensão e de expressão em todos os níveis linguísticos, seguindo em etapas anteriores o desenvolvimento típico. Esta perturbação tem factores causais bem estabelecidos, sócio-ambientais e/ou orgânicos. Em termos de prognóstico considera-se que deverá ter os sistemas linguísticos praticamente dominados por volta dos 9-10 anos de idade.
  • Perturbação específica do desenvolvimento da linguagem – Podemos definir PEDL como uma alterações de linguagem, sem etiologia definida, não podendo ser atribuída a perda auditiva, alterações cognitivas ou de aprendizagem, alterações sócio-ambientais e emocionais, a alterações da estrutura oral e seu funcionamento ou a lesões major do Sistema Nervoso Central (Leonard, 1998). Para além destes aspectos de exclusão existem ainda referências a aspectos de inclusão, tais como uma história familiar positiva (Bishop e Rosebloom, 1987), mais do que dois desvios padrão em qualquer parâmetro da linguagem (Bishop e Edmunson, 1997) e discrepância de mais de um desvio padrão entre o QI verbal e não verbal (Leonard, 1998). É uma perturbação desviante porque o desenvolvimento da linguagem não se faz de uma forma harmoniosa podendo a compreensão e a produção nos vários níveis linguísticos não estarem alterados globalmente. O prognóstico é muito variável mas geralmente as sequelas estendem-se até à vida adulta.
  • Perturbações da linguagem – Alteração em um ou mais dos sistemas linguísticos, não se prevendo o seu domínio completo. Estas perturbações têm uma etiologia orgânica definida.
Pode aqui ser incluída a disfunção comunicativa quando a fala não for o meio principal de comunicação. Podemos, então, classificá-la como moderada, severa e grave.

  • Disfunção Comunicativa: Refere todas as situações em que existe perturbação da linguagem de maior ou menor gravidade mas em que a fala natural não é utilizada como modo principal de comunicação. Assim, a maioria das interacções que a pessoa estabelece com o meio para fazer face às suas necessidades comunicativas, suportam-se em recursos visuais, sejam eles gestuais, gráficos ou a 3 dimensões (objectos, partes de objectos, etc…).
  • Disfunção comunicativa moderada - Grupo composto por pessoas que necessitam de modos de comunicação que constituam uma alternativa à fala (meio alternativo de expressão) mas que não apresentam compromisso das suas capacidades cognitivas e de compreensão linguística. São frequentemente indivíduos com disfunção neurológica, nomeadamente paralisia cerebral.
  • Disfunção comunicativa severa - Grupo composto por pessoas que necessitam temporariamente de uma linguagem de apoio, na medida em que se acredita que no futuro venham a desenvolver oralidade. São frequentemente indivíduos com deficiência mental e autismo. Pertencem também a este grupo pessoas que tem alguma produção oral utilizada com sucesso em contextos e com parceiros específicos, mas que é ininteligível por parceiros de comunicação não familiarizados, necessitando de recorrer a outros suportes de comunicação como forma de complementar e clarificar as suas produções orais.
  • Disfunção comunicativa grave - Grupo composto por pessoas com grave compromisso do seu desenvolvimento global, que não tem competência para dominar linguagem pelo seu alto nível de abstracção. Necessitam de modos de representar a comunicação mais concretos para se expressarem mas também para compreender os outros e o mundo que os rodeia. Estas representações mais tangíveis assumem-se como a sua verdadeira língua materna. Neste grupo encontramos indivíduos com grave disfunção comunicativa como autismo grave, atraso mental grave e multideficiência entre outros.

2 comentários:

  1. Olá!

    Meu nome é Cris e quero compartilhar uma notícia muito importante para as pessoas envolvidas com a questão do autismo! http://bit.ly/bMkYx9

    Vale a pena ler e divulgar!

    Um grande abraço!

    Cris Santos

    ResponderEliminar
  2. OLá .. Eu gostaria de saber onde posso encontrar mais informações sobre disfunções comunicativas sff
    Obrigada

    ResponderEliminar